Utilize o neuromarketing e neurodesign como aliados de sua marca

Publicado na categoria Resenhas & Trechos em 07/05/2020


O desenvolvimento da neurociência nos permitiu entender e direcionar o funcionamento do cérebro para muitas áreas de conhecimento, como o marketing e o design. O neurodesign é capaz de nos explicar por que nosso cérebro responde melhor a um projeto do que a outro, enquanto o neuromarketing tem como principal objetivo entender o que faz um consumidor preferir uma determinada marca, e não outra semelhante. No livro Neuromarketing: como a neurociência aliada ao design pode aumentar o engajamento e a influência sobre os consumidores, de Darren Bridger e publicado pelo selo editorial Autêntica Business, o autor reúne dezenas de informações sobre neuromarketing e técnicas de design baseadas nas mais recentes pesquisas sobre a neurociência.

Darren Bridger apresenta vários insights a serem aprendidos pelos profissionais de marketing, comunicação e design. Separamos cinco dicas de utilização adequada de elementos em peças gráficas, que podem ajudar você a obter mais resultados em suas interações com clientes e consumidores.

Simplifique

Se você pode simplificar, simplifique! Nosso cérebro “não gosta” de desperdiçar energia, e a simplicidade contribui para que passemos pelo menor gasto energético para reconhecer uma imagem. Se o nosso cérebro puder processar uma imagem de forma fluída, o processamento poderá ocorrer por do nosso inconsciente e ser intuitivo – a imagem ser ativada no nosso inconsciente dá diversas oportunidades para que o neuromarketing seja aplicado de forma satisfatória.

Figura 3.1 – Padrões na natureza

Formas suaves

Nosso cérebro tem a tendência de perceber as linhas retas e formas quadradas como perigosas, causando estranhamento ao serem observadas. Se você tiver a chance de utilizar formas suaves, faça isso! Combine o prazer estético do seu design com soluções atraentes para o seu produto.

alt=

Simetria

Simetria é um fenômeno que recebe muita atenção, existe muitos estudos e teorias sobre isso, mas, do ponto de vista do neurodesign, tudo é bastante simples. Estudos afirmam que nosso cérebro gosta de simetria devido à fluidez do processamento. O cérebro prefere objetos simétricos ao redor do eixo vertical a objetos simétricos ao redor do eixo horizontal (e mais ainda ao redor do eixo diagonal). Nesse caso, tudo se baseia no fato de que, para o cérebro, é mais fácil processar a simetria vertical.

alt=

Contraste

Quanto maior o contraste do objeto, mais fácil é para o cérebro distingui-lo do plano de fundo. Um contraste mais alto aumenta a facilidade de percepção, de modo que nosso cérebro considera os objetos de contraste mais atraentes, assim como as linhas definidas serão consideradas mais elegantes pelo nosso cérebro do que linhas borradas.

Cor

Se você quiser chamar a atenção, use uma cor vibrante! No entanto, lembre-se que atrairá atenção apenas se as cores forem usadas dentro do contexto. Por exemplo, um produto com cores vibrantes em uma prateleira de loja receberá atenção, mas se essa cor estiver em desacordo com o produto e com a marca, o interesse no produto será expressivamente menor. Quando nosso cérebro examina o espaço de uma loja, ele fornece uma reação instantânea sobre seu comportamento em relação a um produto específico e também sobre as emoções que estão envolvidas nessa reação.

Com uma abordagem teórica sólida e profunda, Neuromarketing: como a neurociência aliada ao design pode aumentar o engajamento e a influência sobre os consumidores é um guia prático sobre como utilizar o neuromarketing e neurodesign de forma efetiva em seus produtos e em sua marca.

Conheça mais sobre como o neuromarketing pode impactar a sua marca lendo dois capítulos inteiramente grátis: Capítulo 1 e Capítulo 7.

Tags:  Autêntica Business,  darren bridger,  neurodesign,  neuromarketing


Comentários