Vila dos Confins Código da coleção 0634L21603
de Mário Palmério .

Sinopse

Para o renomado ensaísta Wilson Martins, “são raríssimos os livros dos quais um crítico consciente possa dizer, sem hesitação e sem reservas: é uma obra-prima, autêntica e indiscutível”. É esse o caso de Vila dos Confins, romance de estreia de Mário Palmério. Escrito em 1956, a ficção guarda uma atualidade impressionante no desenho que fez dos processos eleitorais da República Velha (1889-1930), abordando questões como a compra de votos, fraudes e a eterna violência nas relações sociais do país. Personagens saborosos contam a história dentro da história – do mascate frágil ao padre alemão caçador de onças pretas, tudo narrado numa linguagem excepcional, resultando do ouvido apurado do autor pelas andanças no interior do Brasil. Para Rachel de Queiroz, “a primeira qualidade que me impressionou no escritor foi este cheiro de terra, tão verdadeiro”.

Segundo a historiadora Mary Del Priore, a obra “nos faz ver o som dos duelos, a espessura do medo e a cegueira política, romance absolutamente clássico, do melhor que já se fez em nossa literatura”.


Código: 0634L21603 Gutenberg Total de páginas: 352


Leia um trecho


Autoria

Mário Palmério

Nasceu em Monte Carmelo, Minas Gerais, em 1916. Político, educador e romancista, dedicou muitos anos de sua vida profissional ao magistério e foi o fundador, entre outras, da Faculdade de Direito e da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro.

Em 1950, foi eleito para seu primeiro mandato como deputado federal por Minas Gerais. Além dos grandes feitos nos campos educacional e da representação parlamentar, Palmério iniciou, aos 40 anos, suas atividades literárias com o livro Vila dos Confins, publicado em 1956, seguido do romance Chapadão do bugre, em 1965.

Membro da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira que pertenceu a Guimarães Rosa, faleceu aos 80 anos, na cidade de Uberaba, Minas Gerais, em 1996.