Autêntica Editora lança edição especial de “Mrs Dalloway” de Virginia Woolf

09/02/2012 — Assessoria de Comunicação - Pluricom

No momento em que entra em domínio público a obra de Virginia Woolf (1882-1941), a Autêntica Editora apresenta ao público brasileiro uma nova tradução de um de seus mais importantes romances, Mrs Dalloway, em edição especial em dose dupla: dois volumes acondicionados em luxuoso estojo.

Um dos volumes é o romance propriamente dito. O outro é uma espécie de livro de anotações ou de apontamentos que ganhou o título O diário de Mrs Dalloway. Com desenhos de Mayra Martins Redin e frases selecionadas de Virginia Woolf sobre a leitura e a escrita, entre outros temas, o volume funciona como uma agenda muito especial, com quatro tipos de páginas para anotações: pautadas, quadriculadas, divididas em quadrantes e inteiramente brancas.

Os volumes são apresentados em capas de tecido, com letras em baixo relevo branco. Nas folhas de guarda, um mapa estilizado de Londres em aquarela, com o itinerário de Mrs Dalloway num dia do verão de 1923. “Um verdadeiro objeto de desejo, como tendem a ser os livros impressos nesta era de competição com o livro digital. Bom para ver e para tocar. E também para ler”, explica o tradutor Tomaz Tadeu, que enriqueceu a edição com textos de sua autoria sobre a vida de Virginia Woolf e sobre a estética de sua ficção, além de abundantes notas e de um índice onomástico com informações sobre todos os nomes próprios (ruas, monumentos, personalidades) que aparecem no romance.

Mrs Dalloway, primeiramente publicado em 1925, é o primeiro e bem-sucedido resultado do continuado esforço de Virginia para romper com as convenções do romance tradicional e estabelecer as bases de uma nova estética da ficção, um esforço que apenas parcialmente fora recompensado com o romance anterior, O quarto de Jacob (1922), e se consolidaria no seguinte, Ao farol (1927). Numa perspectiva mais ampla, Mrs Dalloway insere-se no movimento que, retrospectivamente, seria caracterizado como modernismo literário e cujo início pode ser situado na primeira década do século XX. Na Grã-Bretanha, além de Virginia, destacam-se os nomes de James Joyce, na ficção, e T. S. Eliot, na poesia.

A simples trama de Mrs Dalloway – Tudo se passa num dia de junho de 1923, entre as 10 horas da manhã e a meia-noite. Na face visível da realidade, a dos atos banais do dia a dia, Clarissa Dalloway sai para comprar flores para a festa que dará à noite. No caminho passa por algumas das ruas centrais de Londres e por dois de seus principais parques, encontrando o amigo Hugh Whitbread. Seu trajeto cruza com o de outro personagem central, Septimus Warren Smith que, acometido de um sério trauma de guerra, encaminha-se, com a esposa que conheceu na Itália, Rezia, para uma consulta com um importante psiquiatra.

Já em casa, Mrs Dalloway recebe a visita de um antigo namorado, Peter Walsh, que acabara de voltar de uma longa temporada de trabalho na Índia. Deixando a casa de Clarissa, Peter Walsh empreende sua própria caminhada por Londres, regressando, depois, ao seu hotel, de onde sai, ao final da tarde, para a festa da antiga namorada. O romance culmina na festa de Mrs Dalloway, onde se encontram pessoas de suas atuais relações, como o próprio Primeiro Ministro, e pessoas de seu passado: além de Peter Walsh, também Sally Seton, uma paixão da adolescência.

Um mosaico de cenas exteriores recheia a trama aparente do romance: a passagem de um misterioso automóvel carregando uma importante personagem política; as proezas de um avião escrevente; uma rusga entre a filha adolescente de Mrs Dalloway, Elizabeth, e sua preceptora, a Srta. Kilman; a aventurosa perseguição feita por Peter Walsh a uma senhorita que ele destacara da multidão; uma mendiga, próximo à estação de metrô do Regent’s Park, entoando uma canção ancestral; o trágico fim de Septimus.

A estrutura da narrativa tampouco é complicada. “No esforço para evitar a linearidade típica da prosa e da narrativa tradicional, Virginia Woolf dividiu o romance não em capítulos, mas em cenas, onde se sobrepõem, se cruzam e se confundem, numa simultaneidade vertiginosa, episódios do presente e do passado; acontecimentos atuais e rememorações; atos, visões e pensamentos; fantasia e realidade; vida e sonho; realidade e alucinação”, explica Tomaz Tadeu. É nesse painel cuidadosamente montado, composto por doze seções, assinaladas, na edição original, apenas por duas linhas em branco, que Virginia empreende uma exploração que, na superfície, cobre o mapa da área central de Londres, mas, muito mais profundamente, percorre o mapa interior e sentimental de personagens como Clarissa Dalloway, Peter Walsh e Septimus Warren Smith.

Sobre o tradutor – Tomaz Tadeu da Silva é Ph.D. em Educação pela Stanford University (1984). Atualmente é professor colaborador do Programa em Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É autor de diversos livros e tradutor de obras clássicas como Ética, de Spinoza, O Pintor da Vida moderna, de Charles Baudelaire, da qual também assina a concepção e organização com Jérôme Dufilho, Meu coração desnudado, de Charles Baudelaire, Manual do dândi – A vida com estilo, de Charles Baudelaire, Honoré de Balzac e Barbey d’Aurevilly, Alfabeto, de Paul Valéry, Rabiscado no teatro, de Stéphane Mallarmé, O casaco de Marx, de Peter Stallybrass, Os últimos dias de Immanuel Kant, de Thomas De Quincey e O panóptico, de Jeremy Bentham, da qual também foi o organizador.

Confira o capítulo inicial de Mrs Dalloway em: www.autenticaeditora.com.br/download/capitulo/20120206170428.pdf

Para mais informações, entre em contato com nossa assessoria de comunicação pelo e-mail ou pelo telefone (11) 3034-4468.

← Voltar

Vendas institucionais e licitações
International calls
+55 (11) 3034 4468
Belo Horizonte
Rua Carlos Turner 420, Bairro Silveira,
Belo Horizonte - MG, CEP 31140-520,
Tel. (31) 3465-4500
São Paulo
Av. Paulista, 2073, Conjunto Nacional,
Horsa I, 23º andar , Conj. 2310, 2311, 2312
Cerqueira Cesar, São Paulo - SP, CEP 01311-940,
Tel. (11) 3034-4468

Pesquisar Fechar

Pesquisar por autor, título, série, coleção ou ISBN.