E se você pudesse escrever para Freud?

Equipe - Publicado na categoria Resenhas & Trechos em 23/09/2019


Os últimos dias de Freud foram marcados pela dor do exílio. Em 1938, já com 82 anos, ele se muda com toda a família da cidade onde passara a maior parte dos seus dias: Viena havia sido invadida pelos nazistas. Os dias que viveu em Londres foram de transitoriedade.

Ele experimentou o reconhecimento público ao se tornar, por exemplo, membro da Royal Society of London, e ver seu nome junto ao de figuras que admirava, como Darwin; encontrou também algo que desejava profundamente, como dito em suas palavras para a BBC: “Viver em liberdade até o fim de minha vida”.

Freud continuou a atender pacientes e a escrever seus textos, sem renunciar aos charutos. No dia 23 de setembro de 1939, já muito abalado por um câncer na boca que o atormentou durante 15 anos, pôs fim aos seus dias com uma dose de morfina. Oitenta anos se passaram desde então, mas as palavras de Freud ainda nos inquietam e nos movem.

Em 1935, o pai da psicanálise recebeu uma carta redigida supostamente por uma mãe, de nome hoje desconhecido, angustiada com a homossexualidade do filho. A carta se perdeu ao longo da história, mas a resposta escrita por Freud, que recebeu o título de “Carta sobre homossexualidade”, foi tornada pública e até hoje desperta reações: recentemente, por exemplo, o texto foi personagem de um embate judicial sobre a “cura gay”.

Oito décadas depois de Freud acalmar o coração daquela mãe (se é que foi, de fato, a mãe que escreveu a carta, e não o próprio filho homossexual), a Editora Autêntica convidou acadêmicos, ativistas, mães, filhos, fossem eles LGBT ou não, a se fazer uma pergunta: e se a carta do psicanalista fosse endereçada a você?

As respostas estão reunidas em Caro Dr. Freud, a ser lançado pela editora em outubro de 2019. As cartas, ora testemunhais e profundamente pessoais, ora políticas, ora ficcionais, levam a Freud as angústias de hoje, contam a ele as vitórias e conquistas, mas também os desafios que ainda permanecem.

As cartas são testemunho do impacto da psicanálise em nossa organização social e, mais ainda, na maneira como entendemos a nós mesmos e ao outro. Tantos anos após sua morte, as palavras de Freud ainda fazem com que o pensamento humano desperte para novos caminhos e direções, possibilidades que mesmo ele muitas vezes não previu.

Tags:  Editora Autêntica,  freud,  psicanálise


Comentários