A dificuldade de ser

(autoria), (tradução)

Carregando...

A dificuldade de estar em um mundo cheio de fronteiras, regras e compartimentos pode ter sido o motivo que levou Jean Cocteau a expressar a sua dificuldade de ter um só corpo, sendo múltiplo. E esse corpo diversas vezes autorretratado, por meio do desenho, da escrita ou do cinema, não teria sido o corpo escolhido, embora tivesse mãos prodigiosas. Coube, então, a essas mãos certo toque de Midas: transformar tudo não em ouro, mas em arte – uma conversa, a frivolidade, o riso, um sonho, a juventude, a beleza, a amizade, os costumes, a responsabilidade, o trabalho, a leitura, casas assombradas, a infância, a dor, a morte…

A dificuldade de ser Jean Cocteau foi, também, fruto de uma armadilha construída pelas lendas que o envolveram. Cocteau foi, ao mesmo tempo, o mais célebre e o mais desconhecido dos poetas, e disso se queixava. Mas o seu ser já não era exato, era um mundo em si, físico e abstrato. Um mundo onde não havia distinção entre a obra e a vida, entre a ficção e a realidade. Então, eis um livro-testamento, como em outro momento houve um filme; um autorretrato literário que segue a tradição pictórica do espelho revelando o artista, os seus instrumentos e o seu método, enfim, o seu ato de criação.

Wellington Júnio Costa
_____________________________________________________________

A personalidade multifacetada de Jean Cocteau vive no movimento e do movimento. Qualquer apoio é fugaz. Cocteau é circulação pelos cabarés de Montmartre e pela Antiguidade Clássica. É bandoleiro e é Orfeu. Contra a fatalidade do mito grego invoca a liberdade do poeta de vanguarda. Pertence à família dos exagerados. “Eu não sou alegre, nem triste. Mas posso ser tanto uma coisa como outra e com excesso” ? lemos em A dificuldade de ser. Cocteau é relógio que bate as horas certas do improviso. Apaixonado, adora o sol. Do seu brilho e calor é que surgem as metamorfoses desejadas. Em poema, implora: “Sol, delicioso inferno, transforme minha pele cor-de-rosa em coração satânico”. Cocteau sabe que o poeta caminha na areia movediça. Basta o peso desmedido da pisada para afundá-lo. Por isso ele traz estampada no assombro a figura da morte.

Silviano Santiago

Páginas: 208 • Formato: 14 x 21 cm • Acabamento: Capa Dura • Título original: La difficulté d’être • Editora origem: Éditions du Rocher • ISBN: 9788582175132 • Código: 11593 • Área temática: Biografia & Memórias • Autêntica Editora • Edição: 1 • Mês/Ano de publicação: 03/2015

R$ 54,90



Resenhas sobre o livro

Mostrar todas ↓

Material para imprensa Press kit para jornalistas

Outros livros deste(s) autor(es)

O Potomak O Potomak Jean Cocteau

Obras da mesma área

O Rio de Clarice O Rio de Clarice Teresa Montero
A vida de Lima Barreto A vida de Lima Barreto Francisco de Assis Barbosa
Rua do Odéon Rua do Odéon Adrienne Monnier
Walter Benjamin Walter Benjamin Bernd Witte
Mário de Andrade Mário de Andrade Moacir Werneck de Castro
Receba as novidades da Autêntica Editora
Vendas institucionais e licitações
International calls
+55 (11) 3034 4468
Belo Horizonte
Rua Carlos Turner 420, Bairro Silveira,
Belo Horizonte - MG, CEP 31140-520,
Tel. (31) 3465-4500
São Paulo
Av. Paulista, 2073, Conjunto Nacional,
Horsa I, 23º andar , Conj. 2310, 2311, 2312
Cerqueira Cesar, São Paulo - SP, CEP 01311-940,
Tel. (11) 3034-4468

Pesquisar Fechar

Pesquisar por autor, título, série, coleção ou ISBN.